Entenda o conceito de construção sustentável e saiba aplicá-lo na sua obra!

Entenda o conceito de construção sustentável e saiba aplicá-lo na sua obra!

Você sabe o que é construção sustentável? Para que ela ocorra, é preciso contemplar três aspectos: o econômico, o ambiental e o social. Quando só engloba o econômico e o ambiental, é denominada ecoeficiente — sendo esse o caso da grande maioria.

Para que o uma construção seja de fato sustentável, esses aspectos devem estar presentes desde a sua construção até o seu uso, operação e posterior demolição. Esse não é um conceito fácil de alcançar, porém, é possível e muito importante.

Pensando nisso, neste post, vamos explicar o conceito de construção sustentável e a sua importância, quais são os materiais normalmente utilizados e o impacto na engenharia. Continue a leitura e entenda mais sobre esse assunto!

O que é a construção sustentável?

Com o crescimento da população mundial, a industrialização e a globalização, cada vez mais os recursos são utilizados — fazendo com que aumente a preocupação com a manutenção do meio ambiente. Portanto, a busca e o incentivo por construções que considerem aspectos econômicos, ambientais e sociais em todas as decisões é crescente, assim como a conscientização da população.

A construção sustentável visa amenizar impactos causados na natureza em todas as etapas que envolvem uma construção, tanto considerando um projeto bem planejado e estruturado, quanto no uso de materiais cuja produção é menos agressiva — com menor impacto ambiental — e mais eficiente, e também no processo de construção mais racionalizado, de forma a reduzir a produção de resíduos.

De forma detalhada, a construção sustentável é um conjunto de práticas presentes em todas as fases do processo construtivo e da vida útil de um empreendimento, englobando aspectos como escolha de terrenos, implantação adequada evitando prejudicar o entorno, redução da geração de resíduos, relação com os trabalhadores, sociedade e usuários, escolha de materiais, manutenção e demolição.

Em resumo, ela deve englobar e planejar os seguintes aspectos:

  • Integração da construção com o entorno, de forma que ele não seja prejudicado;
  • realização de um planejamento integrado da obra;
  • planejamento de um canteiro de obras sustentável;
  • aproveitamento de recursos naturais como iluminação e ventilação natural;
  • incorporação de medidas que proporcionem eficiência energética;
  • economia hídrica durante a construção, uso e operação;
  • gestão de resíduos na edificação durante o uso e operação;
  • ar de qualidade no interior da edificação;
  • bem-estar e saúde dos usuários da edificação;
  • conforto térmico e acústico;
  • qualidade do processo construtivo;
  • durabilidade da edificação;
  • uso racional de tecnologias e materiais que proporcionem menor impacto ambiental;
  • responsabilidade social em todas as fases da construção;
  • manutenção, uso e operação;
  • demolição ao final do ciclo de vida da construção.

Qual é o histórico da construção sustentável?

A primeira convenção internacional sobre construções sustentáveis ocorreu em 1997, na Finlândia. Após isso, no Reino Unido, foi lançada a certificação BREEAM de prédios sustentáveis, e um dos selos principais em relação a construções sustentáveis é a certificação LEED — Liderança em Energia e Design Ambiental.

O Instituto Brasileiro de Desenvolvimento da Arquitetura define construção sustentável como aquela que contempla o aproveitamento do meio ambiente de forma a reduzir os prejuízos causados, com a aplicação de desenvolvimento tecnológico que proporcione poupar energia e diminuir resíduos, sem que o aspecto estético seja esquecido.

Existem vários tipos de construção sustentável, dependendo do tipo de material utilizado — como madeiras reflorestadas, painéis fotovoltaicos, vasos sanitários com redutores de água, luz de LED, concreto e demais materiais reciclados, telhas ecológicas, entre outros materiais com selos.

Qual é a importância da construção sustentável para a engenharia?

A construção sustentável simboliza uma abordagem mais harmônica com o meio ambiente, que vai desde a construção até o uso do prédio. Com isso, os impactos ambientais são reduzidos e os recursos naturais são usados com maior eficiência.

Assim, os resíduos são menores, a reciclagem de materiais é maior, e o aproveitamento da iluminação e o uso da água são mais racionais. Dessa forma, a manutenção dos recursos para as gerações futuras é priorizada, proporcionando equilíbrio entre a construção civil e o meio ambiente.

Quais são os materiais utilizados e as possíveis aplicações?

Em primeiro lugar, é necessário saber identificar o que são materiais sustentáveis. Eles podem ser artesanais ou industrializados, contudo, não são poluentes ou tóxicos, reduzindo o impacto ao meio ambiente e beneficiando o bem-estar e a saúde tanto dos trabalhadores quanto dos usuários.

Para determinar se um material é sustentável ou não, são analisadas as seguintes características:

  • origem da matéria prima — se é proveniente de recursos renováveis, extraída de maneira legal, reciclada ou reciclável;
  • processo produtivo — eficiência energética, consumo de água e energia, poluição e geração de resíduos;
  • legalidade e responsabilidade ambiental e social da empresa — os funcionários devem estar legalizados, as licenças em dia e possuir CNPJ;
  • qualidade e durabilidade — atender às normas técnicas;
  • selos e certificações;
  • transporte e distância — dar preferência a materiais regionais para diminuir o impacto ambiental com transporte;
  • evitar uso de materiais químicos prejudiciais ao meio ambiente e à saúde;
  • uso, manutenção e limpeza — devem ser atóxicos, gerar poucos resíduos, consumir pouca energia e água;
  • embalagem deve ser otimizada de forma a gerar menos lixo, ser reciclada e reciclável;
  • descarte final deve promover o reuso e reciclagem dos materiais.

Existem diversos materiais que atendem a essas características e que podem ser aplicados em diversas etapas de uma construção, tanto na vedação, quanto na estrutura, decoração, revestimentos, coberturas etc. A seguir, estão alguns desses materiais:

  • tijolo ecológico — composto por cimento, areia, água e outros resíduos da construção. É aplicado principalmente na execução de vedações;
  • bioconcreto e concreto reciclado — formado por areia, brita, cimento e resíduos de construção, como telhas e tijolos, entre outros;
  • argamassa de argila — usada para assentar revestimentos e como revestimento de paredes, apresentando um excelente desempenho acústico e térmico;
  • tintas biodegradáveis — a base de pigmentos naturais e minerais;
  • telha ecológica — composta por fibras naturais de coco, bananeira ou sisal, de papel reciclado.

Qual é o impacto da construção sustentável na engenharia?

Como se vê, esses materiais são diferentes dos rotineiramente utilizados em construções. Assim, não só o planejamento, a construção e manutenção são modificados, como outros setores são impactados. O orçamentista é um deles, sendo necessário que esse profissional tenha um conhecimento mais amplo para determinar composições de custo e obter uma estimativa realista.

Dessa forma, o engenheiro de custos representa um papel essencial e de extrema importância na construção sustentável, uma vez que essa é uma das etapas mais modificadas e impactadas, sendo pouquíssimas as informações detalhadas para tal. Assim, para que essa etapa seja feita adequadamente, é necessário um profissional com expertise e treinamento para tal.

A construção sustentável é muito importante e envolve diversos outros aspectos, que vão desde o projeto, planejamento e orçamento, até o uso, a operação e demolição. Por isso, para que seja aplicada corretamente, esse tipo de construção envolve diversas áreas da engenharia, sendo o papel do engenheiro de custos imprescindível.

Gostou desse texto e quer entender um pouco mais sobre essa área? Então, aproveite a visita ao blog e entenda o papel do engenheiro de custos em uma obra!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *