Gestão de projetos 2.0: veja 7 principais ferramentas e tecnologias

Gestão de projetos 2.0: veja 7 principais ferramentas e tecnologias

O estudioso da internet Pierre Lévy afirma que o grande desafio do século 21 é a curadoria de dados. Até o século passado, um dos maiores dilemas era o acesso às informações — hoje, o impasse é administrá-las. E o que a gestão de projetos tem a ver com a Web 2.0?

Tudo. Os melhores profissionais já estão na temporada 2.0. Não tem como contestar, mas dá para correr atrás. Por que não até alçar grandes voos? Essa versão de gestão de projetos usa aplicativos que reúnem colaboradores, clientes e diretores numa única interface.

São plataformas que dão aos projetos maior flexibilidade, medições ininterruptas de resultados e estreitamento das relações com os stakeholders, entre outras incontáveis vantagens. Ficou interessado? Então, confira neste post 7 dispositivos tecnológicos incríveis para turbinar sua carreira. Acompanhe!

1. Motive sua equipe com o Salpinx

O Salpinx tem recebido notoriedade por seu sistema de gamificação, capaz de monitorar o desempenho dos colaboradores, estabelecendo conexões entre as performances de cada um. É possível até aproveitar a funcionalidade para implantar programas de incentivos com ganhos na vida real.

Assim, impulsionados pela competição, todos tendem a ficar mais focados e empenhados. A atuação em equipe também tende a melhorar.

O Salpinx é uma interface para administrar planos, objetivos, funções e recursos humanos. Ele tem duas divisões, sendo uma para gestores e outra para colaboradores.

O monitoramento de tudo é em tempo real. A ferramenta oferece ainda instrumentos para formular gráficos e relatórios de maneira rápida e simples. Outro destaque é o medidor de tempo improdutivo em cada atribuição.

2. Estabeleça prioridades com o Kanbanchi

Suporte lógico baseado na técnica Kanban, o Kanbanchi é ótimo para definir quais tarefas são mais urgentes. Tanto o método que deu origem ao nome do aplicativo como ele próprio usam um sistema de sinalização com cartões coloridos, para o controle do fluxo de produção.

Na versão virtual, é possível compartilhar gráficos, relatórios, filtrar demandas e visualizar a evolução do cumprimento dos desígnios.

Com uma interface simples de arrastar e soltar, a visualização das incumbências de cada partner fica bastante instrutiva para coordenar. Além de favorecer o gerenciamento, os coworkers podem observar o desempenho uns dos outros.

3. Detecte erros com o Jira

O Jira é mais uma opção eficiente para a gestão de projetos, conhecido por sua eficácia em rastrear erros e distorções, os chamados bugs. O instrumento tem a habilidade de descrever os defeitos, além de apontar e rastrear a busca pela solução. O software também é reconhecido por permitir uma customização amigável.

Isso quer dizer que dá para personalizar o monitoramento dos fluxos de processo à realidade da sua empresa. Com o Jira, é possível ainda elaborar, distribuir e supervisionar missões e deveres.

A interface é compatível com os principais navegadores do mercado, possui alerta de e-mail e uma gama variada de plug-ins.

4. Envie relatórios com o Asana

Adaptável aos smartphones, o Asana permite o envio de arquivos, como relatórios, gráficos e planilhas — tanto para a equipe interna como para o cliente. O app possibilita a criação de grupos de colaboração. Assim como outros utilitários especializados, ele fornece verificações por meio de quadros e colunas bastante didáticos e de clara organização.

O Asana indica deadlines e checklists ao mesmo tempo em que identifica os seus encarregados, permitindo a conexão do gestor de projetos direta e rápida com eles. Para equipes de até 15 pessoas, há versão gratuita do software.

5. Controle equipes numerosas com o Podio

Recomendado para gerenciar colaborativamente de médias a grandes equipes, o software reúne fiscalização da execução dos propósitos, sistema de remessas de documentos online e diálogo instantâneo, entre outros serviços. A visualização do seu projeto em recortes que você define também é característica do Podio.

Se os prazos e metas não forem cumpridos, ele o avisará. Aliás, fará o alerta antes de a data limite chegar, para que não haja prejuízos. Conforme a configuração escolhida, o programa trará também informações sobre os motivos das falhas e a identificação dos responsáveis por elas.

O Podio dá ainda a chance de selecionar quais de seus recursos são mais úteis para a sua empresa. É possível até nomear as funcionalidades eleitas de acordo com o perfil das metas e da equipe.

6. Meça a ‘burn rate’ com o Microsoft Project

O Microsoft Project é um acessório tecnológico que também disponibiliza configurações adaptáveis. Devido à potência da marca, é uma ferramenta bastante utilizada na gestão de projetos.

Uma das habilidades que o distingue dos demais apps é o cálculo de taxas de burn rates, que medem a velocidade com que a capacidade financeira das empresas sofre retração. Há outros diversos recursos, como a customização de relatórios.

7. Tenha integração offline com o Google Sheets

O Google Sheets é um aplicativo que proporciona a criação, edição e colaboração de documentos em planilhas online do Google Drive. Com ele, o trabalho offline também é permitido. É possível incluir outros usuários para produções coletivas.

A chance de operar sem a internet é um grande diferencial. O Google Sheets trouxe novidades no mês passado, quando foram apresentadas ferramentas inéditas para a web e para o iPhone.

Uma das inovações do Google Sheets cria gráficos adaptados quando o usuário faz uma pergunta. Novas fórmulas, mais opções de impressão, de edição e aprimoramento da sintonia com a linha de apps do Google estão entre os recursos.

Por isso tudo, a versão 2.0 é fundamental para o progresso nas carreiras de gestão de projetos.

E saiba que já há empresas na gestão de projetos 3.0, que procuram entender clientes como consumidores de suas ideologias — não apenas de seus produtos. Nessa fase, as organizações de vanguarda vêm focando na sua razão de ser e em como a sua atuação influi na sociedade.

Portanto, é urgente para quem atua em gestão de projetos fazer a metamorfose. Lembre-se, porém, que isso não é ruim; muito pelo contrário. A borboleta não ganha asas até deixar de ser lagarta. Quer alçar grandes voos? Então, convide os amigos e compartilhe nosso post em suas redes sociais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *